O 26 de Julho de 1953

Publicado por Dicas sobre CUBA em

O 26 de Julho de 1953

Em 26 de Julho se comemora o Dia Nacional da Rebeldia Cubana. A data remete ao assalto aos quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes ocorrido em 1953. Ainda que a ação militar não tenha atingido o seu objetivo, ela marcaria o início de uma etapa fundamental da Revolução.

Traduzimos o artigo* do historiador Jorge Luis Aneiros Alonso, Diretor de Assuntos Históricos da Presidência de Cuba, que nos conta o que foi o dia 26 de Julho de 1953.

“As ações de 26 de julho de 1953 representaram a retomada da luta insurrecional do povo cubano por sua independência definitiva. Naquele dia, ações armadas foram realizadas de forma sincronizada nas cidades orientais de Santiago de Cuba e Bayamo, com o objetivo de tomar o quartel do exército da tirania de Batista nessas cidades.

O principal golpe seria no quartel de Moncada, em Santiago de Cuba, que seria pego de surpresa por combatentes mobilizados por Fidel Castro Ruz, apoiados por dois grupos do Palácio da Justiça e do Hospital Saturnino Lora, instalações próximas ao quartel.

Em Bayamo, a ocupação do quartel Carlos Manuel de Céspedes cortaria as comunicações com Santiago e impediria que os reforços fossem para aquela cidade. Com essas ações pretendia-se fazer um chamado ao povo para apoiar o movimento e, com as armas ocupadas, liderar uma insurreição geral que derrubaria a tirania. As ações foram realizadas de acordo com o plano planejado, mas o objetivo principal não pôde ser alcançado: o quartel não pôde ser tomado e a insurreição foi abortada.

O movimento insurrecional liderado por Fidel foi organizado durante o ano de 1952 e o primeiro trimestre de 1953 em resposta ao golpe militar de Fulgêncio Batista, que revogou a Constituição de 1940 e cerceou a ordem constitucional e as conquistas democráticas da época. Seu objetivo inicial era ter uma força organizada para se juntar a qualquer organização que iniciasse a luta contra a ditadura na primeira linha de combate.

Também contou entre seus principais dirigentes Abel Santamaría Cuadrado, Jesús Montané Oropesa, José Luis Tassende de las Munecas, Mario Muñoz Monroy, Renato Guitart Rosell, Boris Luis Santa Coloma, Pedro Miret Prieto, Oscar Alcalde Valls e Raúl Martínez Ararás, e chegou a adicionar mais de mil membros. Seus membros, em sua maioria jovens, coincidem geracionalmente com o centenário do nascimento do Herói Nacional José Martí e são expressão de elevados princípios morais e revolucionários que serão postos à prova na ação principal.

Os componentes do movimento foram organizados em células clandestinas, com rígida disciplina e compartimentação. Durante vários meses foram mobilizados para a prática de tiro e reuniões clandestinas, para as quais foram utilizados vários lugares, como a Universidade de Havana, o Clube de Cazadores del Cerro, áreas do que hoje é o Parque Lenin, o apartamento de Abel Santamaría na Calle 25 e O, e o de Melba Hernández em Jovellar nº 107, em Havana; a fazenda El Dagame, em Artemisa, e a fazenda Santa Elena, em Los Palos.

Na marcha das tochas em 27 de janeiro de 1953, às vésperas do centenário de José Martí, participaram muitos dos que meses depois estariam nas ações de 26 de julho. Também foi importante o trabalho de angariação de fundos para a ação, onde o empenho pessoal de vários combatentes teve um peso fundamental, privando-se muitas vezes de bens próprios; também a compra e aquisição de armas —quase todas para caça esportiva— e uniformes militares.

Análise de Raúl Castro, participante do assalto ao Moncada, sobre o significado do 26 de julho de 1953.

Um ano após o golpe de 10 de março, sem que nenhum partido ou organização política se lançasse efetivamente na luta, e diante do fracasso do projeto do Movimento Nacional Revolucionário (MNR) de Rafael García Bárcenas para assumir o Quartel Columbia, Fidel decide projetar o início da insurreição através de sua própria ação. Nos meses seguintes, os preparativos foram acelerados: em Havana, Marianao, Santiago de las Vegas e Nueva Paz —municípios então na província de Havana— e em Artemisa e Guanajay —municípios de Pinar del Río na época—, onde foram realizadas as processo de seleção e organização de futuros combatentes.

Juntamente com os organizados em células da capital do país e de Artemisa, Fidel comprometeu-se especificamente com a causa revolucionária pessoas que viviam em Colón, Bayamo, Palma Soriano e Santiago de Cuba, que em alguns casos teriam importantes responsabilidades na preparação das ações que foram planejados. A chave do sucesso estava no fator surpresa, pois enfrentariam forças muito superiores abrigadas em sólidos prédios militares.

Fidel e seus colaboradores mais próximos tiveram que enfrentar e resolver importantes desafios organizacionais e logísticos para a época: obter e transferir para o leste do país as armas e uniformes militares que seriam usados para enganar e confundir o exército; possibilitar duas instalações que serviriam como local de concentração final para futuros combatentes: a fazenda Villa Blanca (suposta fazenda de galinhas) na estrada de Santiago para Siboney, e o alojamento Gran Casino, próximo ao quartel de Bayamo, conseguir o aluguel de trânsito instalações na cidade de Santiago de Cuba; e transfira a maioria dos participantes de trem, ônibus e carro em apenas 48 horas e no final ter todos prontos na madrugada de 26 de julho, domingo, dia de carnaval em Santiago de Cuba, para então explicar o plano e a posição que cada um assumiria.

Este colossal esforço organizacional foi realizado com sucesso. Na madrugada de 26 de julho, 158 companheiros estavam em Oriente, incluindo duas mulheres. O horário previsto para o início das ações nas duas cidades do leste era às 5h15 da manhã. Foi um plano bem pensado, com chances de sucesso se o fator surpresa funcionasse e todos os combatentes conseguissem entrar no quartel e conseguir neutralizar os soldados antes que eles pudessem entrar em posição de combate e usar as suas metralhadoras.

Entrada do Museu Histórico 26 de Julho no antigo quartel Moncada, em Santiago de Cuba.

Tudo funcionou com bastante precisão até o ponto de encontro nas duas cidades. Na noite de 25 de julho, Fidel pôde verificar a situação em Bayamo e dar ordens de última hora, chegar a Santiago e finalmente a La Granjita, hoje conhecida como Siboney, onde se reuniu com os ali reunidos, anunciou como seria feito, ação e exigiu a maior disciplina. Os combatentes ouviram a proclamação redigida por Raúl Gómez García, a pedido de Fidel, que seria transmitida uma vez terminada a ação.

Os carros com os participantes, menos os dez que se recusaram a lutar, saíram na ordem indicada para Santiago de Cuba. O hospital Saturnino Lora foi ocupado sem dificuldade, assim como o Palácio da Justiça. No quartel de Moncada, local do ataque e de onde começaria a ação, surgiu um inconveniente imprevisto (para os carnavais foi incorporado um posto de turismo que, devido ao avanço dos carros e à ação contra ele, iniciou-se o tiroteio e os combatentes começaram a sair dos carros ainda fora do quartel), o que juntamente com a sirene que começou a soar quando os primeiros combatentes ocuparam e passaram o posto 3, impediu que a maior parte do contingente entrasse no quartel e consumasse a ação. Tudo aconteceu em menos de meia hora.

Perante a impossibilidade de ocupação do Moncada, é dada a ordem de retirada. Seis não podem fazê-lo porque caem lutando. Os que estavam na periferia e perto do quartel, a pé ou de carro, se dispersaram; aqueles que estão no hospital pensando que estão cercados, decidem ficar nele, fingindo ser pacientes ou acompanhantes; Todos, exceto um, foram presos e mortos, com exceção das duas mulheres: Haydée Santamaría Cuadrado e Melba Hernández Rodríguez del Rey. Os seis que estavam no Palácio da Justiça conseguem sair devido à ação decisiva de Raúl Castro Ruz, que neutraliza os soldados enviados para capturá-los.

O balanço de baixas das ações de 26 de julho de 1953 foi o seguinte: os assaltantes tiveram seis baixas em combate, 55 foram mortos posteriormente e 49 foram capturados e mantidos vivos, dos quais, após julgamento, 32 foram condenados. O Exército e a polícia tiveram 50 baixas, 19 mortos e 31 feridos.

As ações de 26 de julho foram um fracasso militar, mas como Rubén Martínez Villena pediu em seu tempo, seria a carga necessária para despertar consciências, desenvolver ideias, para que, uma vez reagrupados os sobreviventes, continue a luta na prisão fértil, nas ruas ou no exílio. O Granma viria depois, a luta nas cidades, nas montanhas, nas prisões, em qualquer lugar, e dessa vez seriam milhares que alcançariam a vitória, mas tudo começou em 26 de julho de 1953.”

* Publicado originalmente dia 26 de julho de 2022 no jornal Juventud Rebelde.

Quartel Moncada, hoje transformado na Ciudad Escolar 26 de julio
Categorias: História

0 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.